29 de abr de 2005

Querido Diário

Hoje acordei com expectativas.
Muitas!
Tantas que nem é possível colocar aqui.

Pressa

Mesmo quando tudo pede um pouco mais de calma,
Até quando o corpo pede um pouco mais de alma,
A vida não pára.


A semana passou voando, voando, voando...

Enquanto o tempo acelera e pede pressa
Eu me recuso, faço hora,
A vida é tão rara.

E eu tive que correr também.
Tive que dormir pouco, comer menos ainda,
Tive que ter toda a paciência do mundo com certas pessoas,
Engolir a vontade de mandar alguns pra um certo lugar.

Enquanto todo mundo espera a cura do mal
E a loucura finge que isso tudo é normal
Eu finjo ter paciência...


Aguentar a indiferença, o mau humor, a imperfeição.

O mundo vai girando cada vez mais veloz
A gente espera do mundo e o mundo espera de nós
Um pouco mais de paciência...

As voltas nem sempre são a favor, nem sempre contra.
Eu quero paciência pra esperar a minha volta. Espero muito do mundo.
Não devia.

Será que é o tempo que me falta pra perceber
Será que temos esse tempo pra perder
E quem quer saber
A vida é tão rara...


Não vou perder tempo! Não vou esperar do mundo! Não vou esperar das pessoas!
Se há tempo, não sei. Mas houve o suficiente para eu me sentir cansada.

O que dói...

"Viver não dói. O que dói é a vida que não se vive". - (Emilio Moura)

Definitivo, como tudo o que é simples. Nossa dor não advém das coisas vividas, mas das coisas que foram sonhadas e não se cumpriram.

Por que sofremos tanto por amor? O certo seria a gente não sofrer, apenas agradecer por termos conhecido uma pessoa tão bacana, que gerou em nós um sentimento intenso e que nos fez companhia por um tempo razoável, um tempo feliz. Sofremos por quê? Porque automaticamente esquecemos o que foi desfrutado e passamos a sofrer pelas nossas projeções irrealizadas, por todas as cidades que gostaríamos de ter conhecido ao lado do nosso amor e não conhecemos, por todos os filhos que gostaríamos de ter tido juntos e não tivemos, por todos os shows, livros e silêncios que gostaríamos de ter compartilhado, e não compartilhamos. Por todos os beijos cancelados, pela eternidade interrompida.

Sofremos não porque nosso trabalho é desgastante e paga pouco, mas por todas as horas livres que deixamos de ter para ir ao cinema, para conversar com um amigo, para nadar, para namorar. Sofremos não porque nossa mãe é impaciente conosco, mas por todos os momentos em que poderíamos estar confidenciando a ela nossas mais profundas angústias se ela estivesse interessada em nos compreender. Sofremos não porque nosso time perdeu, mas pela euforia sufocada. Sofremos não porque envelhecemos, mas porque o futuro está sendo confiscado de nós, impedindo assim que mil aventuras nos aconteçam, todas aquelas com as quais sonhamos e nunca chegamos a experimentar.

Como aliviar a dor do que não foi vivido? A resposta é simples como um verso: se iludindo menos e vivendo mais.

24 de abr de 2005

Piadinha

O pai do Joãozinho ficou apavorado quando este lhe mostrou o boletim.
- Na minha época as notas baixas eram punidas com uma boa surra.
- Legal pai! Que tal pegarmos o professor na saída amanhã?

( não sei porque, mas sinto que essa semana vai acontecer exatamente assim...)

Heheheh!! =P

Burro?



O inteligente e o burro estão fazendo uma brincadeira, cujas regras são: cada um faz perguntas ao outro, se o burro não sabe a resposta, ele paga 1 real ao outro; se é o inteligente que não sabe a resposta ele paga 100 reais ao outro, porque ele é mais inteligente, e assim parece justo.
O inteligente começa:
- O que é que tem quatro patas e mia?
- Não sei. Toma 1 real.
- O que é que tem 4 patas e late?
- Não sei. Toma 1 real.
-Faz uma pergunta você, pede o inteligente.
-Tá bom! O que é que tem oito patas de manhã e quatro de tarde?
O inteligente pensa, pensa, pensa, mas depois de uma hora sem achar a resposta, tem que desistir:
- Não sei. Toma cem reais. O que é, hein?
- Também não sei. Toma um real.

Posted by Hello

Depois de nós



"Hoje os ventos do destino começaram a soprar
nosso tempo de menino foi ficando para trás
com a força de um moinho que trabalha devagar
vai buscar o teu caminho, nunca olha para trás."


Engenheiros do Hawaii Posted by Hello

Aprofundando o diálogo com Deus




"Que eu possa conhecê-lo mais claramente
Amá-lo mais profundamente
E segui-lo mais de perto dia após dia."

Aprofundando o diálogo com Deus - Ben Patterson

Terminei de ler hoje! É ótimo para reflexão, bem gostoso de ler, e nos anima muito a aproveitar o privilégio de conversar com o Criador.
Posted by Hello

19 de abr de 2005

Hoje

Hoje foi um dia especial!

Foi minha primeira segunda-feira "de branco" - com todo o respeito, seu delegado! Depois de um dia cheio de stress, problemas no computador, tefonemas, filas e, é claro, muita palhaçada e bom-humor, aproveitei que estou de folga da faculdade essa semana e fui direto pra Cultura, encontrar meus amigos do inglês.

Ah, quantas saudades...durante todo o caminho fui lembrando de como eu descia correndo aquela rua do metrô, com uma mochila nas costas, o uniforme do Cetec, e o fichário de florzinha que fazia questão de sempre abrir nos dias de atraso, me atrapalhando a vida. Hoje eu já não estava com tanta pressa, a mochila virou bolsa tira-colo e o uniforme, sapato de salto alto. Estava na maior expectativa e quando cheguei, nem fiquei surpresa! Lá estavam eles, na mesinha de sempre, correspondendo à cena que eu tinha em mente: o Vi falando alguma inutilidade, o Alípio zuando, e o Rapha desesperado tentando terminar a lição de casa. Já cheguei matando as saudades, e as novidades foram ótimas! Fui cara de pau o suficiente pra pedir à "teacher" que me deixasse assistir aula com eles...e foi o máximo! As piadas, nosso jeito único e divertido de falar inglês, tudo! A professora levou o DVD do "Friends" pra gente ver e o episódio foi muito legal. O tempo passou rapidinho...bem mais rápido do que as longas 3h20 que eu passo lá todo sábado de manhã.

Voltei de metrô com o Alípio, assim deu tempo de colocar a conversa em dia.

Pra encerrar, eu estava esperando minha mãe no Jabaquara quando eu vi um carro parecido com o meu. Nem pensei duas vezes e enfiei a cabeça falando "MÃE" ? É...você já deve saber que não era minha mãe...e a cena foi rídicula!

...

Tudo bem, tudo bem! O tio era gente fina.

O dia não podia ter terminado melhor!

Nesse momento eu estou com muita vontade de escrever sobre meus últimos pensamentos, acontecimentos e tal...mas o sono está ganhando de lavada e o xaveco do meu colchão está irresistível!

Aquele braço!

10 de abr de 2005

As três peneiras

Olavo foi transferido de projeto.

Logo no primeiro dia, para fazer média com o novo chefe,

saiu-se com esta:

- Chefe, o senhor nem imagina o que me contaram a respeito do Silva. Disseram que ele...

Nem chegou a terminar a frase, e o chefe, apartou:

- Espere um pouco, Olavo. O que vai me contar já passou pelo crivo das Três Peneiras?

- Peneiras? Que peneiras, Chefe?

- A primeira, Olavo, é a da VERDADE. Você tem certeza de que esse fato é absolutamente verdadeiro.

- Não. Não tenho, não. Como posso saber? O que sei foi o que me contaram? Mas eu acho que...

E, novamente, Olavo é interrompido pelo chefe:

- Então sua história já vazou a primeira peneira. Vamos então para a segunda peneira que é a da BONDADE. O que você vai me contar, gostaria que os outros também dissessem a seu respeito?

- Claro que não! Deus me livre, Chefe! - diz Olavo, assustado.

- Então, - continua o chefe - sua história vazou a segunda peneira. Vamos ver a terceira peneira, que é a da NECESSIDADE. Você acha mesmo necessário me contar esse fato ou mesmo passá-lo adiante?

- Não chefe. Pensando desta forma, vi que não sobrou nada do que eu iria contar - fala Olavo, surpreendido.

-Pois é Olavo! Já pensou como as pessoas seriam mais felizes se todos usassem essas peneiras - diz o chefe sorrindo e continua:

- Da próxima vez em que surgir um boato por aí, submeta-o ao crivo das três peneiras:

VERDADE - BONDADE - NECESSIDADE

...antes de obedecer ao impulso de passá-lo adiante, porque:

* Pessoas inteligentes falam sobre idéias;
* Pessoas comuns falam sobre coisas;
* Pessoas mesquinhas falam sobre PESSOAS.

6 de abr de 2005

Todo o sentimento

"Preciso não dormir
Até se consumar
O tempo
Da gente
Preciso conduzir
Um tempo de te amar
Te amando devagar
E urgentemente
Pretendo descobrir
No último momento
Um tempo que refaz o que desfez
Que recolhe todo o sentimento
E bota no corpo uma outra vez

Prometo te querer
Até o amor cair
Doente
Doente
Prefiro então partir
A tempo de poder
A gente se desvencilhar da gente
Depois de te perder
Te encontro, com certeza
Talvez num tempo da delicadeza
Onde não diremos nada
Nada aconteceu
Apenas seguirei, como encantado
Ao lado teu"

(Chico Buarque de Holanda)

~*/ Só pra atualizar, meu aniversário foi ótimo, e ter 18 anos é como...é como...é, bem...é ter 18 anos!