26 de dez de 2006

21 de dez de 2006

Eu quero, eu quero!



"O Manual do Ator" de Constantin Stanislavski.

Quem? Eu? Pedindo só porque é Natal? Imagina...

18 de dez de 2006

Não podia ser diferente...

O show foi maravilhoso. É isso. Tudo bem que o Serginho errou a minha música preferida, mas... Opção estética.

A baqueta ficou pro próximo show. Vamos fechar uma mesa?

15 de dez de 2006

10 de dez de 2006

Peculiaridade

Os melhores momentos da vida não são registrados em fotografias. Não cabem. Não são montados, dirigidos nem planejados. Não são passado. São presente. São intensos. Valoroso é o acaso. Peculiar e emocionante. Simplesmente acontece e fica escondido onde o tempo não reage e a circunstância não alcança.

7 de dez de 2006

...Se apronta pra recomeçar!



Como eu gosto de Roupa Nova. Não, eu não sou consumista nem vitrine de loja. Estou falando do melhor grupo vocal do Brasil, dos compositores das melhores melodias e letras tão melosas que são trilha sonora da minha vida inteirinha, até hoje. De geração em geração!

Depois de longos 19 anos, consegui o meu ingresso. Poltrona 346, tudo bem. Pode não ser tão perto do palco e é até capaz que o Serginho nem consiga me dar a baqueta dele de presente. Quem se importa. Essas coisas ficam só na minha imaginação, junto às lembranças e à minha companhia mais presente.

Estou feliz, muito feliz!

"A vida tem sons que pra gente ouvir precisa aprender a começar de novo. É como tocar o mesmo violão e nele compor uma nova canção que fale de amor, que faça chorar, que toque mais forte esse meu coração."

22 de nov de 2006

Atenção [,Fê]

Não faça nada que vá levar você para longe das suas amizades verdadeiras. Amizades levam um tempão para se consolidar e um tempinho para esfriar, pois assim como a proximidade gera intimidade, a distância fragiliza os vínculos.

(Ed René Kivitz)

21 de nov de 2006

Conclusão do dia:

DEUS FIEL

(Ana Paula Valadão)

"Nem olhos viram, nem ouvidos ouviram
O que Deus preparou para nós
Um futuro certo, cheio de esperança e paz, muita paz

Quero viver teus sonhos, teus planos
Tudo que por mim conquistaste na cruz
A tua vontade é o meu prazer
Sem ti nada posso, opera em mim o teu poder
Vê o fruto do teu penoso trabalho
Alegra-te sobre mim

É tão bom sonhar teus sonhos, é tão bom viver teus planos
E conhecer a graça de pertencer a ti, Deus fiel
É tão bom fechar meu olhos e contemplar com minha fé
Todas as tuas palavras, tuas promessas pra mim
Deus Fiel"

30 de out de 2006

26 de out de 2006

Querido Diário

A melhor fase da vida é aquela em que nos achamos belas sem maquiagem ou um corpo bem definido. Aquela em que o espelho para nada mais serve além de ser um brinquedo fantástico que reflete as mais criativas caretas.

23 de out de 2006

R & J



A famosa história de Romeu & Julieta, clássico de Shakespeare, em uma montagem com elenco exclusivamente masculino.

Em "R&J", quatro estudantes de uma escola católica totalmente conservadora decidem, a partir de uma brincadeira, transformar suas vidas cheias de regras. A brincadeira se dá quando um deles encontra o livro de "Romeu e Julieta". Todos começam a lê-lo, cada um uma parte, em voz alta, e assim se envolvem com os personagens da obra, cada um representando diversos papéis, trazendo à tona todos os seus conflitos.

Um dinamismo único de um amor entre dois jovens de famílias rivais, os Montecchios e os Capuletos.

Maravilhoso.

A montagem abre as portas para muitas reflexões, como era de se esperar. Identidade de gênero, opressão, preconceito e até a aceitação da sexualidade. Ali não se separa masculino do feminino simplesmente porque, na peça, eles não interpretam mulheres, mas as pessoas que elas são.

Atores preparados por ninguém mais, ninguém menos que Inês Aranha. Musicado por Fernanda Maia...e dirigido por Zé Henrique de Paula. Dá gosto de ver. Montagem perfeita, atores intensos.

Tecnicamente, é uma aula. Para a vida, ficam os valores. Idealista como "Sociedade dos Poetas Mortos", está no topo da lista de todas as minhas recomendações.

Local: Teatro Augusta (R. Augusta, 943 - Consolação)
Dias: 13, 20 e 27 de outubro (sextas-feiras -> ainda dá para assistir a última!)
Hora: 21h30
Preços: R$ 20,00 - inteira // R$ 10,00 - meia

19 de out de 2006

Querido Diário

Aqueles plásticos de bolinhas que estouram deveriam ser vendidos em famárcia.

Na Ultrafarma, para ter desconto, é claro.

17 de out de 2006

Choque térmico?

Que deliciosa mania de tomar um copo de água fria durante o banho, bem embaixo do chuveiro quentinho.

Adorava fazer isso quando criança. Era só a água começar a cair e eu já chamava pela minha mãe..."manhê, me dá um copo d'água?!".

A única sensação de "friozinho" por dentro do "quentinho", o copo vazio que rendia várias brincadeiras, como ensopar o banheiro inteiro, jogar água na cabeça, fazer um chapéu, um microfone e até malabarismo...
Apesar do desperdício, aqueles banhos eram pura diversão.

Sei que, de vez em quando, uma enfermeira passa por aqui para ler minhas babozeiras. Bem que ela podia me dar uma bronca, afinal...vai que me dá algum problema. Gelado e quente nunca combinaram. A não ser, é claro, na inconsequência de crianças insanas.

14 de out de 2006

Efeito Porcaria



Sabe quando a indústria cinematográfica não tem mais nada para inventar e decide pegar filmes relativamente bons e estabelecer continuações somente por fazer, se aproveitando da fama do anterior para movimentar público? Pois é, "Efeito Borboleta 2" seguiu essa linha e não passa de uma ofensa ao filme original. Uma verdadeira pérola cinematográfica que não vale um centavo do que o público paga para assisti-la. A velha tradição hollywoodiana de aproveitar uma idéia que deu certo e transformá-la em receita para continuações idênticas onde mudam apenas os nomes dos personagens e alguns detalhes da história, ainda é constante.

Amigos sabem o quanto o filme ORIGINAL é especial para mim. Simplesmente por ser maravilhosamente dirigido, ter efeitos de montagem geniais e um roteiro raro, incomum e completíssimo.

Uma ofensa, uma ofensa, uma ofensa.

O diretor John Leonetti (aquele do lixo "Mortal Kombat: Aniquilação") não consegue nada mais do que qualquer pessoa com uma câmera consegue fazer. Na realidade, ele conseguiu a proeza de deixar o filme superficial e sem uma cronologia apurada, como Eric Bress e J. Mackye Grubber conseguiram. Além de não saber fazer as cenas renderem bons planos, os efeitos visuais são completamente amadores, e sua direção mostra o quanto precisa aprender. Claro, é apenas seu segundo trabalho... e espero que último, até aprender algo que possa ser bem-aproveitado em alguma outra película. Sem falar nos erros seqüenciais, que se revelam meros causadores de dor àqueles mais atentos. É impressionante a pouca preocupação com os detalhes, cometendo muitas gafes imperdoáveis, refletidas até na montagem das cenas. Como se não bastasse tudo isso, ainda não tem o mínimo feeling ao lidar com o elenco, cujos atores parecem meros robôs em standby, esperando um click para funcionarem. Eric Lively e Erica Durance, o casal deste filme, são postos em situações extremamente artificiais e nem o possível talento que eles têm embutido se sobressaiu ao script.

Definitivamente amador. Fiquei "injuriada".

Reconheço que não estudo cinema. É preciso ter respaldo para conceituar e argumentar tecnicamente um filme. No entanto, basta estar diante da exibição dessa película para ter a sensação de que o projeto deste filme foi decidido assim: "peguem o primeiro, inventem algo parecido, mas mudem os personagens pelo menos, usando um tema mais adulto e clichê. Coloquem bastante sexo e atores bonitos e usem esse dinheiro, e nem precisa se preocupar com qualidade, não. Sabemos que o público vai se interessar, já que conseguimos roubar o nome de 'Efeito Borboleta', então só o nome basta para nós". É a única coisa que consigo imaginar, já que o filme não tem compromisso nenhum em manter a qualidade do anterior.

Os americanos tanto sabiam disso que enviaram o longa direto para as locadoras, mas como bons brasileiros que não desistem nunca, jogamos nas salas de projeção de todo o país para ser mais um caça-níquel, como se não bastasse todas as porcarias que temos em cartaz.

Ressalva: Talvez esse tenha sido o motivo pelo qual toda a equipe técnica da primeira versão tenha abandonado o projeto, já que viram o risco que correriam ao assinar tal película. Lembrem-se que nem diretor, nem elenco e nem equipe de produção do filme original envolveram-se com esta lástima. Eles devem se sentir tão ofendidos quanto eu. Ou mais.

10 de out de 2006

Eleições 2006

Vá no google, digite "político honesto" e clique em "estou com sorte".

Viu só?

...

Nulo neles!

"Muito" nunca é suficiente...

Eu gosto de dizer que amo as pessoas que eu amo. Porque é verdade. E porque eu acho que nunca fui clara o bastante.

Quando eu digo que eu amo, eu quero dizer que sim, minha vida continuaria sem aquela pessoa, mas sem o mesmo brilho, a mesma alegria, a mesma intensidade.

Quando eu digo que eu amo, quero dizer que essa pessoa faz sentido para mim. Que eu não a estranho, que eu não tenho medo de existir na vida dela.

Quando eu digo que eu amo, quero dizer para essa pessoa que eu estarei sempre lá, seja lá onde for, seja do jeito que for.

Conforto, carinho, alegria, apoio, aconchego, cumplicidade... tudo isso dentro de um "eu amo você".

13 de set de 2006

Liquidação

"A gente só conhece bem as coisas que cativou - disse a raposa. - Os homens não têm mais tempo de conhecer coisa alguma. Compram tudo já pronto nas lojas. Mas como não existem lojas de amigos, os homens não têm mais amigos. Se tu queres um amigo, cativa-me!"

(Raposa, em O Pequeno Príncipe)

13 de ago de 2006

Palco



Quando se é criança tudo é possível. Vive-se mil vidas e de minuto em minuto tranforma-se de engenheiro para astronauta ou de professor para palhaço. E isso tudo é só você.
Infelizmente, um dia todo mundo cresce. Aí já não se pode ser tudo: há de ser apenas uma coisa, e se é. Algumas pessoas, na verdade, não são aquilo que dizem, mas essa dissimulação significa que escolheram aquilo que querem ser.
Acontece que em muitas vezes, é cansativo ser uma só coisa, pois dentro de nós existe um mundo inteiro reprimido pelo que chamam de status, respeitabilidade, moral ou apenas convivência.
Então, torna-se importante uma magia denominada 'palco'.
Neste você é o que bem entende. Deixa escapar um pouco de você para construir um outro ou até mesmo vivencia aquilo que nunca imaginou. Há burburinhos de emoção...
Acho que estas são as mais sinceras representações na vida.

Para ele

Eu gosto tanto de você que até prefiro esconder. Deixo assim ficar subentendido como uma idéia que existe na cabeça e não tem a menor obrigação de acontecer. (...) Pode até aparecer fraqueza. Pois que seja fraqueza, então. A alegria que me dá, isso vai sem eu dizer. Se amanhã não for nada disso, caberá só a mim esquecer. O que eu ganho e o que eu perco ninguém precisa saber.

(Apenas mais uma de amor - Lulu Santos)

26 de jul de 2006

Sugestões, por favor

Pela 6ª vez eu dormi demais dentro do ônibus e perdi o ponto de descida. Sei que já ganhei experiência no assunto, mas o desespero não muda e o ódio de mim mesma só cresce nesses momentos de sono e susto, uma mistura perturbadora.

Seria aquele capacete explicativo "Vou descer no 3º ponto da Via Anchieta", ou "Vou descer na Rudge Ramos, por favor, avise-me", a melhor solução?

EU NÃO AGUENTO MAIS!

21 de jun de 2006

Para Fê

Quero sua risada mais gostosa e esse seu jeito de achar que a vida pode ser maravilhosa. Quero sua alegria escandalosa, vitoriosa por não ter vergonha de aprender como se goza.

(Vitoriosa - Ivan Lins)

16 de mai de 2006

Mudança do endereço

Querido leitor,

Este blog não será mais endereçado como "pertinhodafe". O novo endereço é www.fe-minina.blogspot.com.

Para ter certeza que todos os visitantes estão cientes da mudança e trocarão o link de redirecionamento na área de "divulgação" de seus respectivos sites, peço, por favor, para você deixar um comentário. O novo endereço só será ativado quando eu tiver a sua assinatura e/ou no máximo em 1 (uma) semana.

Obrigada!

Querido Diário

As pessoas maduras não precisam ser sérias nem as intelectuais, chatas.

8 de mai de 2006

Feche as portas

Corinthians: sem estádio, sem técnico, sem passaporte, sem zaga, sem dinheiro e sem uma torcida decente.

O passaporte até existe, mas ele custa 2,10 e só vai até Itaquera!

"1, 2, 3, Corinthians é freguês!"

2 de mai de 2006

Resoluções para 2006

de Ed René Kivitz

- Não assuma compromissos do tipo “vou iniciar uma dieta”, “vou começar alguma atividade física”, “vou terminar o curso de inglês”. Esse tipo de coisa serve apenas para acumular culpa e frustração sobre os seus ombros. Simplesmente comece a fazer o que deve ser feito.

- Não acredite nesse pessoal que diz que “sem meta você não vai a lugar nenhum”. Pergunte a eles por quê, afinal de contas, você tem que ir a algum lugar. Trate esses “lugares futuros imaginários” apenas como referência para a maneira como você vive hoje – faça valer a caminhada. Se você chegar lá, chegou; se não chegar, não terá do que se arrepender. A felicidade não é um lugar aonde se chega, mas um jeito como se vai.

- Não pense que você vai conseguir dar uma guinada na vida apenas mudando o seu visual. É a alegria do coração que dá beleza ao rosto, e não a beleza do rosto que dá alegria ao coração.

- Não guarde dinheiro sem saber exatamente para que o está guardando. Dinheiro parado apodrece e faz a gente dormir mal. Transforme suas riquezas em benefícios para o maior número de pessoas. É melhor perder o dinheiro que ocupa seu coração, do que o coração que se ocupa do dinheiro.

- Não deixe de se olhar no espelho antes de dormir. Caso não goste do que vê, não hesite em perder a noite de sono para planejar o que vai fazer na manhã seguinte. Ao se olhar no espelho ao amanhecer, lembre que com o sol chega também a misericórdia de Deus: a oportunidade de começar tudo de novo.

- Não deixe de se perguntar se existe um jeito diferente de viver. Não acredite facilmente que o jeito diferente de viver é necessariamente melhor do que o jeito como você está vivendo. Concentre mais energia em aprender a desfrutar o que tem do que em desejar o que não tem.

- Não enterre seus talentos, nem que seu único tempo para usá-los seja da meia noite às seis. Ninguém deve passar a vida fazendo o que não gosta, se o preço é deixar de fazer o que sabe. Útil não é quem faz o que os outros acham importante que seja feito, mas quem cumpre sua vocação.

- Não jogue fora a utopia. Ninguém consegue viver sem acreditar que outro mundo é possível. Faça o possível e o impossível para que esse outro mundo possível se torne realidade.

- Não deixe de dar bom dia para Deus. Nem boa noite. Mesmo quando o dia não tiver sido bom. Com o tempo você vai descobrir que quem anda com Deus não tem dias ruins, apenas dias difíceis.

Ed René Kivitz é escritor conferencista e pastor da Igreja Batista da Água Branca, em São Paulo.

Vale a pena ler todas as resoluções. É só clicar aqui.

(Parênteses)

Estar sujeito a comentários é sempre surpreendente: imaginei que seriam prolixos ao darem suas opiniões, assim como eu fui quando me convidei a pensar nas oportunidades da vida. Pelo jeito, me enganei e diante das dúvidas, trocaria "prolixidade" por "incógnita".

4 de abr de 2006

Opinião dele

"Entendo que poesia é negócio de grande responsabilidade, e não considero honesto rotular-se de poeta quem apenas verseje por dor-de-cotovelo, falta de dinheiro ou momentânea tomada de contato com as forças líricas do mundo, sem se entregar aos trabalhos cotidianos e secretos da técnica, da leitura, da contemplação e mesmo da ação. Até os poetas se armam, e um poeta desarmado é, mesmo, um ser à mercê de inspirações fáceis, dócil às modas e compromissos."

(Carlos Drummond de Andrade)

28 de mar de 2006

Cultura inútil

Fernanda: Significa ousada e indica uma batalhadora incansável, que leva até o fim tudo o que começa e quase sempre consegue resultados positivos. A criatividade e o amor à liberdade são outras das suas características mais marcantes. Do alemão "inteligente, protetor".

27 de mar de 2006

Desatualizando

Estou viva, mais velha, mais gorda e muito mais feliz.

Conclusão do dia: adoro ser surpreendida!

26 de jan de 2006

Frase do dia

O que um corinthiano faz depois de ganhar a Libertadores da América?

R.: Desliga o Playstation e vai dormir!

(Programa "Estádio 97", de segunda a sexta, às 18:00, na rádio Energia 97 - 97,7 FM)

17 de jan de 2006

Conclusão do dia:

O calor fritou o Tico e o Teco está aqui dentro, sussurrando: "Eu acredito em mim mesma, eu acredito em mim mesma!"

5 de jan de 2006

Template

Queridos leitores,

O template do meu blog abre todo errado em diversos computadores. O meu perfil que deveria estar alinhado com o topo da página no lado direito, aparece sempre lá embaixo, quando os posts terminam.

É assim que ele aparece no computador de vocês? Não consigo arrumar de jeito nenhum.

Porcaria!!!

2 de jan de 2006

Receita de Ano Novo

de Carlos Drummond de Andrade

Para você ganhar belíssimo Ano Novo
cor do arco-íris, ou da cor da sua paz,
Ano Novo sem comparação com todo o tempo já vivido
(mal vivido talvez ou sem sentido)
para você ganhar um ano
não apenas pintado de novo, remendado às carreiras,
mas novo nas sementinhas do vir-a-ser;
novo até no coração das coisas menos percebidas
(a começar pelo seu interior)
novo, espontâneo, que de tão perfeito nem se nota,
mas com ele se come, se passeia,
se ama, se compreende, se trabalha,
você não precisa beber champanha ou qualquer outra birita,
não precisa expedir nem receber mensagens.
(Planta recebe mensagens? Passa telegramas?)

Não precisa fazer lista de boas intenções
para arquivá-las na gaveta.
Não precisa chorar arrependido
pelas besteiras consumidas
nem parvamente acreditar
que por decreto de esperança
a partir de janeiro as coisas mudem
e seja tudo claridade, recompensa,
justiça entre os homens e as nações,
liberdade com cheiro e gosto de pão matinal,
direitos respeitados, começando
pelo direito augusto de viver.

Para ganhar um Ano Novo
que mereça este nome,
você, meu caro, tem de merecê-lo,
tem de fazê-lo novo, eu sei que não é fácil,
mas tente, experimente, consciente.
É dentro de você que o Ano Novo
cochila e espera desde sempre.

Mas, a conclusão final é:

Definitivamente, eu não reconheço a Fernanda de um ano atrás.