31 de dez de 2005

Algumas conclusões do ano...

- O mundo realmente dá voltas;
- O amadurecimento é um processo difícil e recompensador;
- Superado, não esquecido;
- O trabalho prejudica o sono;
- Quero produzir cultura e não manipulação;
- Eu não nasci pra tocar violão;
- Atender telefone engorda muito mais que comer chocolate;
- O mundo está louco;
- Quer ver o Brasil prá frente? Mussum para presidente!

Para os globais de plantão do "paz, a gente é que faz":

"De que adianta estar vestido de branco
E ter no rosto um sorriso amarelo
Se a paz não é um estado de espírito
Se por dentro há uma grande e interminável guerra

A paz não é o que se encontra no mundo
Que paz é essa que se arma pra guerra?
Aonde está o fim da destruição?
Ansiedade quer vencer o desespero do coração

O nome da paz foi declarado na cruz
O nome da paz é JESUS"

("O nome da paz" - Resgate)

Boa virada!

16 de dez de 2005

Vida de Telefonista I

Toca o telefone...

- Sistema Graça, bom dia!
- Bom dia! É da Igreja Internacional da Graça de Deus?
- Isso mesmo! Posso ajudar?
- Pode. Eu gostaria de uma informação.
- Pois não?
- Onde fica a Galeria do Rock?

1 de dez de 2005

Canção de Protesto

Letra de Caetano Veloso



Porque será
Que fazem sempre tantas
Canções de amor
E ninguém cansa
E todo o mundo canta
Canções de amor
De minha parte
Às vezes não agüento
Noventa e nove e um pouco mais por cento
Das músicas que existem são de amor
E quanto ao resto
Quero cantar só
Canções de protesto
Contra as canções de amor
Odeio "As Time Goes By"
O manifesto
Canções de amor
Muito ciúme, muita queixa, muito "ai"
Muita saudade, muito coração
É o abusar de um
Santo nome em vão
Ou a santificação de uma banalidade
Eu queria o canto justo na verdade
Da liberdade só do canto
Tenra, limpa, lúcida, e no entanto
Sei que só sei querer viver
De amor e música

3 de nov de 2005

Mãos dadas



Não serei o poeta de um mundo caduco.
Também não cantarei o mundo futuro.
Estou preso à vida e olho meus companheiros
Estão taciturnos mas nutrem grandes esperanças.
Entre eles, considere a enorme realidade.
O presente é tão grande, não nos afastemos.
Não nos afastemos muito, vamos de mãos dadas.
Não serei o cantor de uma mulher, de uma história.
Não direi suspiros ao anoitecer, a paisagem vista na janela.
Não distribuirei entorpecentes ou cartas de suicida.
Não fugirei para ilhas nem serei raptado por serafins.
O tempo é a minha matéria, o tempo presente, os homens presentes,
a vida presente.

(Carlos Drummond de Andrade)

27 de out de 2005

Uma vida satisfeita



De que forma minha vida me deixará plenamente satisfeita?

Satisfeito [Do lat. satisfactu.] Adj. 1. Que se satisfez. 2. Saciado, repleto, farto, contente. 3. Realizado, atendido.

Palavra simples e conhecida, mas ainda assim, tão indefinível para nossos corações impacientes e cansados. Fácil foi encontrá-la no dicionário, mas penso em cada área e meus respectivos sonhos, e em como eu posso achá-la nas páginas da minha vida.

É comum imaginar a plena satisfação esquecendo a realidade que se vive e as circunstâncias que a compõe.

Talvez, uma vida perfeita para mim, fosse aquela sem necessidade do trabalho remunerado, com total dedicação aos estudos e sonhos. É revoltante observar pessoas que podem usufruir tal situação, mas preferem as futilidades que a vida mansa e o dinheiro oferecem.

No entanto, é impossível saber se numa realidade parecida eu teria os mesmos objetivos e pensamentos. Como ter certeza se eu não seria uma patricinha estúpida, ou uma metaleira revoltada? Como saber se o amor pelos meus estudos, amigos e sonhos futuros seria o mesmo?

Num mundo que cultua a beleza, os esportes e a autoconfiança, é comum encontrar a satisfação em bens materiais, ótimos saldos bancários, poder empresarial e potência dos carros. Mas, que ignorância! Isso evidencia a contradição absurda trazida junto com a cultura mesquinha que exige a constante busca do sucesso: querer ou precisar de mais – carros, mulheres, diplomas, cargos – demonstra absoluta insatisfação.

A insatisfação ocorre devido os prazeres momentâneos nos quais baseamos nossas expectativas e alegria de viver. As circunstâncias mudam e o contentamento vai embora, abrindo espaço para a frustração.

Seguindo um aspecto de infantilidade, no primeiro tombo, não conseguirei encontrar a felicidade nos pequenos milagres da vida.

O problema está no foco!

Jesus Cristo não veio a esse mundo apodrecido para prometer sucesso e fama. Ele prometeu vida em abundância, ou seja, vida que ultrapassa os limites. Então, a vida encontrada nele é superior a qualquer satisfação momentânea que eu busque para massagear o ego ou aumentar o saldo bancário.

A plena satisfação não pode estar baseada em circunstâncias volúveis e indefinidas.

A pergunta deve mudar:

“De que forma minha vida me deixará plenamente satisfeita?”.

Não!

Ao invés de batalhar por isso e ter resultados finitos, pergunte: "Deus está satisfeito com a minha vida? Como satisfazê-lo?".

Quando as expectativas forem buscadas com Ele no papel de alvo, terei a satisfação até nas dificuldades, pois elas também pertencem a esse mundo do qual nada resta, nada se leva.

18 de out de 2005

Ironia

"O campo tem de ser fragmentado, o ferro, derretido, o pomar, podado, o trigo, joeirado, a correnteza, aprisionada acima do moinho. Talvez aconteça o mesmo com a vida do homem. Da derrota devem nascer grandes conquistas, das lágrimas, propósitos intensificados, do desespero, a esperança. Por que deveria o homem cair, senão para se reeguer, morrer, senão para viver?"


(George Dell)

29 de set de 2005

Querido Diário

Eu nunca fui a mais inteligente da sala, nem o orgulho da família. Meu nome nunca foi sorteado para ganhar prêmios, e já perdi as contas de quantas rifas eu já comprei para ajudar manicures e TCC's. Não fui uma criança prodígio, não desenvolvi nenhum dom espetacular e não tenho idéias brilhantes para mudar o mundo. Sei o número exato de meninos que foram donos do meu coração. Não gosto de coca-cola, escuto Backstreet Boys, leio o que me interessa e detesto qualquer tipo de legume ou verdura. Não assisti Matrix nem O Senhor dos Anéis nem Harry Potter, e ainda não li a Bíblia inteira. Não entendo física mas sou fascinada pelo Albert Einstein. Não sou poeta nem jornalista, mas adoro Camões, Drummond e falar de sentimento. Choro com cachorros abandonados nas ruas e o meu sonho é ter um canil para abrigá-los. Tenho certeza que minha emissora cultural pode esperar, e...eu não deveria ter acordado hoje!

Espaço...é disso que preciso!

Ninguém enxerga, ninguém ouve...

"Eu sei que as cicatrizes falam mas as palavras calam o que eu não sei dizer."

Erasmo Carlos

26 de set de 2005

Quem sabe isso quer dizer amor?

de Milton Nascimento



"Cheguei a tempo de te ver acordar
Eu vim correndo à frente do sol
Bati na porta e, antes de entrar, revi a vida inteira
Pensei em tudo o que é possível falar
Que sirva apenas para nós dois
Sinais de bem, desejos vitais, pequenos fragmentos de luz
Falar da cor, dos temporais, do céu azul, das cores de Abril
Pensar além do bem e do mal, lembrar de coisas que ninguém viu

O mundo lá sempre a rodar, em cima dele tudo vale
Quem sabe isso quer dizer amor, estrada de fazer um sonho acontecer

Pensei no tempo e era demais
Você olhou sorrindo pra mim
E selou um beijo de paz, virou minha cabeça
Eu simplesmente não consigo falar
Lá fora o dia já clareou
Mas se você quiser transformar um ribeiro em braço de mar
Você vai ter que encontrar aonde nasce a fonte do ser
E perceber meu coração bater forte só por você

O mundo lá sempre a rodar, em cima dele tudo vale
Quem sabe isso quer dizer amor, estrada de fazer um sonho acontecer"

21 de set de 2005

Constância

"A constância não nos dá apenas iniciativa. Com ela temos a 'terminativa'".

(Pr. Ricardo Gondim no livro "Como Vencer a Inconstância").

~* Esse é o ponto! ;)

16 de set de 2005

Uma onda que passou

"(...) Eu quis dizer quis, quis te dizer
Quis botar pra fora, mas na hora eu me calei

(...) Tudo que eu posso dizer, tentei falar
Tudo que agora eu sei como explicar
Você ainda vai saber e vai sofrer
Quando seu tempo chegar"


(Tribo de Jah)

19 de ago de 2005

Vida

"Fui para os bosques para viver livremente, para sugar o tutano da vida, para aniquilar tudo o que não era vida e para, quando morrer, não descobrir que não vivi."

Thoreau

17 de ago de 2005

Querido Diário

Eu tenho os meus segredos. Alguns são secretos demais para pensar.
Acho que não existe e nem vai existir alguém capaz de sabê-los todos, entendê-los, realizá-los...

Tenho minhas novidades também, mas algumas pessoas já conseguem expor a minha vida o suficiente para eu não ter a mínima vontade de contá-las aqui.

O meu recado não é nada sentimental. A intensão não é parecer revoltada, saudosista, fútil, muito menos melancólica. Apenas tomei algumas decisões, e pra ser sincera, mal sei porquê escrevi isso aqui!

"Não vou mais falar de amor
De dor, de coração, de ilusão
Não vou mais falar de sol
Do mar, da rua, da lua ou da solidão

(...)

Meu vício agora...
É o passar do tempo
Meu vício agora...
Movimento, é o vento, é voar...é voar

Não vou mais verter
Lágrimas baratas sem nenhum porquê
Não vou mais vender
Melôs manjadas de Karaokê

E mesmo assim fica interessante
Não ser o avesso do que eu era antes
De agora em diante ficarei assim...
Desedificante
"

("Meu vício agora" - Kid Abelha)

Dá um tempo!

16 de ago de 2005

O Jogador



"Saio do cassino, olho...um florim* vagava ainda no bolso de meu colete: "Ah, ainda me resta com o que jantar!", disse a mim mesmo, mas, antes de dar uma centena de passos, mudei de idéia e retornei. Coloquei o florim sobre manque e, na verdade, experimenta-se uma sensação particular quando, só, num país estrangeiro, longe de sua pátria, de seus amigos, sem saber o que se irá comer naquele dia, arriscamos nosso último florim, o último, o último! Ganhei e, vinte minutos mais tarde, saí do cassino com cento e setenta florins no bolso. Eis o que pode significar o último florim. E se eu me deixasse abater, se não tivesse tido a coragem de tomar aquela decisão?..."

(Alexis Ivanovitch em "O Jogador" de Feódor Mikhailovich Dostoiévski)

Empolgante! Como pode um homem arriscar o próprio destino à roleta? Eu, que sempre me deixo envolver, ri, senti raiva, e só não chorei porque ele não é muito sensível, e porque eu detesto cassino. Apesar disso, todas as apostas de Alexis Ivanovitch são emocionantes e interessantes.

É uma pena que tive de lê-las com as VÁRIAS interrupções do meu instrumento de trabalho (que, por ironia, eu amava tanto): o telefone!

Recomendo e empresto depois que me devolverem os outros! =P

* Florin: moeda de prata ou de ouro em vários países; unidade monetária da Holanda e da Hungria.

15 de ago de 2005

Agora só falta você



"Um belo dia resolvi mudar
E fazer tudo o que eu queria fazer
Me libertei daquela vida vulgar
Que eu levava estando junto à você
E em tudo o que eu faço
Existe um porquê
Eu sei que eu nasci
Sei que eu nasci pra saber
Pra saber o quê"

(Composição de Rita Lee e Luiz Sérgio, cantada pela maravilhosa voz da Maria Rita).

>> Fotolog atualizado.

11 de ago de 2005

Quase...



(de Luís Fernando Veríssimo)

"Ainda pior que a convicção do não e a incerteza do talvez, é a desilusão de um quase. É o quase que me incomoda, que me entristece, que me mata trazendo tudo que poderia ter sido e não foi.

Quem quase ganhou ainda joga, quem quase passou ainda estuda, quem quase morreu está vivo, quem quase amou não amou.

Basta pensar nas oportunidades que escaparam pelos dedos, nas chances que se perdem por medo, nas idéias que nunca sairão do papel por essa maldita mania de viver no outono. Pergunto-me, às vezes, o que nos leva a escolher uma vida morna; ou melhor não me pergunto, contesto. A resposta eu sei de cor, está estampada na distância e frieza dos sorrisos, na frouxidão dos abraços, na indiferença dos "Bom dia", quase que sussurrados.

Sobra covardia e falta coragem até pra ser feliz. A paixão queima, o amor enlouquece, o desejo trai. Talvez esses fossem bons motivos para decidir entre a alegria e a dor, sentir o nada, mas não são.

Se a virtude estivesse mesmo no meio termo, o mar não teria ondas, os dias seriam nublados e o arco-íris em tons de cinza. O nada não ilumina, não inspira, não aflige nem acalma, apenas amplia o vazio que cada um traz dentro de si. Não é que fé mova montanhas, nem que todas as estrelas estejam ao alcance, para as coisas que não podem ser mudadas resta-nos somente paciência porém, preferir a derrota prévia à dúvida da vitória é desperdiçar a oportunidade de merecer.

Pros erros há perdão; pros fracassos, chance; pros amores impossíveis, tempo. De nada adianta cercar um coração vazio ou economizar alma. Um romance cujo fim é instantâneo ou indolor não é romance. Não deixe que a saudade sufoque, que a rotina acomode, que o medo impeça de tentar.

Desconfie do destino e acredite em você. Gaste mais horas realizando que sonhando, fazendo que planejando, vivendo que esperando porque, embora quem quase morre esteja vivo, quem quase vive já morreu."

10 de ago de 2005

O Poeta

O Poeta é um tradutor da alma humana, e como tal, deixa fluir de si mesmo tudo o que sente de forma tão peculiar. Tão imensa é a carga emotiva a ser extravasada e assim o Poeta o faz.

Um poeta vive a poesia e a transmite no olhar, em palavras, em gestos. É coisa vivida dia após dia, absorvida pelos admiradores diretos e indiretos que o rodeiam. Não uma absorção efêmera, mas uma indicação de que nem toda poesia é colocada em palavras escritas.

Poesia é a vida. Poeta é o coração.

8 de ago de 2005

Um quê de poesia

"Não lemos nem escrevemos poesia porque é bonitinho. Lemos e escrevemos poesia porque somos humanos. A raça humana está repleta de paixão...e medicina, advocacia, administração e engenharia são objetivos nobres e necessários para manter-se vivo.
Mas...a poesia, a beleza, o romance, o amor...é para isso que vivemos!
Citando o Whitman: "Ó, eu! Ó, vida! Entre as questões que reaparecem, os trens desesperançosos, cidades cheias de tolos. O que há de bom entre eles, ó, eu? Ó, vida! Resposta: Estar aqui. A vida existe e a identidade...essa brincadeira continua e você pode contribuir com um verso." Essa brincadeira continua e você pode contribuir com um verso. Qual será o verso de vocês?"

(Fala de John Keating (Robin Williams) no maravilhoso filme "Sociedade dos Poetas Mortos")

3 de ago de 2005

Querido Diário



O que é novo sempre me assusta, e o que é velho me trás segurança. Deve ser por isso que me apego tanto às fases passageiras da vida.

Esta é a última vez que olho para esse relógio da parede e o vejo marcar 17:25. Daqui 5 minutos será a última vez que eu desligo este computador e digo "vamos?".

Isso me faria chorar um pouco, mas não faz. Uma pessoa me ensinou que quando as coisas em nossa vida mudam não precisam necessariamente ter um "grand finale". Eu não preciso mais de um último abraço, nem de um último café.

Embora eu ainda dê valor para o "encerramento", eu apredi a lição, e sei que todas as lembranças ficam guardadas, não apenas a última. Além do mais, o que ficou pra trás, ficou. É assim que penso.

Conclusão: hoje foi só mais um dia comum de trabalho! Especial, mas comum!

Agora estou chorando.

2 de ago de 2005

Pra te lembrar



"Que é que eu vou fazer pra te esquecer?
Sempre que já nem me lembro, lembras pra mim
Cada sonho teu me abraça ao acordar
Como um anjo lindo
Mais leve que o ar
Tão doce de olhar
Que nenhum adeus vai apagar.

Que é que eu vou fazer pra te deixar?
Sempre que eu apresso o passo, passas por mim
E um silêncio teu me pede pra voltar
Ao te ver seguindo
Mais leve que o ar
Tão doce de olhar
Que nenhum adeus pode apagar.

Que é que eu vou fazer pra te lembrar?
Como tantos que eu conheço e esqueço de amar
Em que espelho teu, sou eu que vou estar?
A te ver sorrindo
Mais leve que o ar
Tão doce de olhar
Que nenhum adeus pode apagar."


(de Nei Lisboa, cantada por Caetano Veloso. "Pra te lembrar" está na excelente trilha sonora do filme "Meu tio matou um cara".)

1 de ago de 2005

Conclusão do dia:

Inércia não combina com a vida!

Carta do Adeus



“É estranho pensar em você depois de tudo que aconteceu, principalmente agora que estamos com vidas totalmente diferentes e várias coisas importantes aconteceram. Quando eu olho pra trás e vejo tudo que aconteceu conosco, eu chego a conclusão de que na verdade não perdemos um ao outro, apenas nos distanciamos. Você está dentro do meu coração naquele mesmo lugar que eu reservei no dia que te conheci, e esse lugar cresceu, cresceu e tomou a proporção do que eu sentia por você. E penso que você sente o mesmo, pois em todas as vezes que nos encontramos, sempre levamos aquele susto e temos aquele frio na barriga de adolescentes que viram a esquina e dão de cara com o grande amor.

(...) Foi uma época ótima, e eu errei por pensar que seria para sempre. Claro que era o que eu queria, mas se eu não tivesse agido como se fosse pra sempre, as coisas seriam completamente diferentes, pois eu faria o triplo das coisas que eu fazia para te conquistar todos os dias cada vez mais. E faria poemas mais bonitos do que fazia, e plagiaria os que achava bonitos e diria que eram meus. Eu tenho você e você me tem, mas nos temos na lembrança do que passamos e conseguimos deixar isso real da maneira que queremos e quando queremos, e nunca precisamos inventar ou simular nenhuma situação, apenas lembrar das melhores coisas que fizemos. Lembrar da liberdade que você tinha sobre meu corpo, lembrar de como doía saber que tínhamos discutido (...).

Só que eu deixei debaixo da sua cama toda minha identidade, meus anseios, minhas promessas, meus sonhos, para que você, ao dormir, sentisse toda essa energia e lembrasse de mim com o mesmo carinho que eu lembro de você, apesar de tudo...
Aquele poema está fixado na minha mente como um mantra, e a cada segundo que lembro dele, um turbilhão de imagens suas passa pela minha cabeça e me dá aquele bom e velho frio na barriga e aquela irreparável dor da saudade e da tristeza de não ter você por perto, dormindo com aquele travesseiro que eu roubava para sentir seu perfume. E esse amor mudou de nome, ele agora se chama "respeito, admiração e saudades", e reside no mesmo lugar onde você o deixou para seguir a vida que você planejava (...).

Mesmo sabendo da nossa distância, tenho você no coração e espero que um dia possamos ter de volta a base de tudo que tivemos: uma grande amizade e uma cumplicidade sem tamanho.”


*** A "Carta do Adeus" foi escrita por Luiz Guilherme Amaral e postei alguns trechos aqui por ter achado linda a maneira de "simplesmente" dizer adeus com tanto amor. Ele foi "apresentado" a mim pelo meu saudoso professor de Filosofia!! =)

Luiz Guilherme Amaral é estudante de Comunicação Social da Escola Superior de Administração, Marketing e Comunicação - ESAMC em Sorocaba (SP). Reside em Mairinque, interior de São Paulo e além de escrever, também realiza trabalhos na área de Comunicação Social como locutor e redator. Apaixonado pela música tal como pelas palavras, é baterista desde os 15 anos de idade, tocando música popular brasileira esporadicamente em bares e restaurantes e lecionando aulas sobre o instrumento.

Colabora com o site www.opiniaoeinformacao.com.br e suas poesias e crônicas são publicadas no www.poesiaeprosa.blogspot.com e no www.queroserombudsman.blogspot.com.

29 de jul de 2005

Procurando emprego...

...na vida moderna!

É por isso que está tão difícil arrumar emprego hoje em dia...

Clique aqui!

O melhor...

...vai começar - Música de Guilherme Arantes



"Você mostrou pra mim
Onde encontrar assim
Mais de um milhão
De motivos pra sonhar, enfim
E é tão gostoso ter
Os pés no chão e ver
Que o melhor da vida
Vai começar"



; )

23 de jul de 2005

Sapiciência



II Feira do Livro Infantil, Juvenil e Quadrinhos de São Paulo

De 06 a 14 de agosto de 2005 - Fundação Bienal - Pq. do Ibirapuera

Pela primeira vez os visitantes da feira contarão com uma Arena Universitária e palestras gratuitas com temas variados: "Literatura, Cinema e Televisão", "Literatura e Teatro", "Comunicação Organizacional", "Vivendo Prosa e Poesia", entre outros.

A feira também terá uma Fábrica de Quadrinhos, e uma programação cultural infantil especial para marmanjo nenhum colocar defeito: exposições de carros estilizados famosos no mundo dos Gibis, Anime, Mangá, e muito mais.

Inscreva-se e informe-se melhor no site: www.flijq.com.br

20 de jul de 2005

Querido Diário

Não aguento mais as minhas perguntas sem respostas.
Queria poder falar ao menos uma vez num daqueles microfones da câmara dos deputados.
Quero cortar o cabelo e não sei quando nem como.
Sinto saudades.
Não estou com vontade de cumprir as obrigações do dia.
Estou apertada, mas o Dennys acabou de matar uma barata no banheiro e fez questão de jogá-la no vaso sanitário.
Doei sangue domingo e foi ótimo. Pior do que a tontura, é saber que somente 2% da população tomam esse tipo de atitude.
Eu quero comprar um playstation 2.
O relógio aponta 17h35, o que significa que o França já me espera no ponto.
Hoje é o dia do amigo e eu ganhei um presente.
Não queria mesmo que essa unha quebrasse. Dane-se!

19 de jul de 2005

Álbum de fotos

Uma das coisas mais legais do orkut é o álbum de fotos. Gosto de colocar nele as pessoas que são especiais para mim (não cabem todas, infelizmente), momentos que trazem saudades e lugares que visitei.

Fiz algumas "atualizações" há alguns dias. Entre aspas porque coloquei fotos até bem velhinhas, mas que gosto muito!

Você pode visitá-lo quando quiser: Álbum da Fê

(Tá, essas coisas a gente nem precisa autorizar, principalmente no orkut, mas...ando pensando bastante em fotos e recordações, e isso rendeu um espaço aqui!)

=D

** Falando em foto, meu fotolog está atualizado também **

18 de jul de 2005

Amigas

Apresentando aos leitores do meu blog as melhores amigas do mundo:

"Rex Belelex DE QueirÓz" e "Feiby's Brecha-Brega de Faria Galisteu"



Ignorando as piadinhas internas, elas são simplesmente a Faby e a Rê, amigas de coração há muito tempo, que completaram mais um ano de vida dias 09 e 14 desse mês, respectivamente.

Nosso trio já rendeu muita bagunça e falta de juízo. Momentos únicos e uma união sem tamanho que ultrapassa todas as "fases passageiras" da vida.

Só queria deixar registrado que amo vocês, e sou muito feliz por estarmos juntas em mais um aniversário! Parabéns, meninas! Obrigada pela amizade de sempre!

Com amor,

"Fefuxa", "Fefolet's", "Fefezona", "Fezoca", "Queridona", e todos os outros apelidos que vocês duas insistem em inventar!! =P

12 de jul de 2005

Impontualidade



O amor é como a tesourinha de unhas: nunca está onde a gente pensa.

É onipresente, porém imprevisível.

Não se deve esperar ouvir "eu te amo" num jantar à luz de velas, no dia dos namorados ou receber flores após a primeira transa. O amor odeia clichês. É por isso que você vai ouvir "eu te amo" numa terça-feira, às 4 da tarde, depois de uma discussão, e as flores vão chegar no dia que você tirar a carteira de motorista, depois de aprovada no teste de baliza.

Idealizar é sofrer. Amar é supreender.

9 de jul de 2005

Limites

...no Namoro - Dr. Henry Cloud & Dr. John Townsend



De primeira achei que era um "auto-ajuda" ensinando o que devo ou não devo fazer com meu namorado. Presente de mãe, comecei a ler para não desapontar. Larguei o livro pela metade, mas depois de uns meses chegou a hora de começar de novo, e com outra cabeça pude enxergar tudo diferente: ele vai além dos limites físicos, morais e emocionais, como eu pensei no início. De fato ele dá algumas dicas banais (para mim), é muitas vezes repetitivo e óbvio (idem), e tem uma frase na contra-capa de péssimo gosto: "Um guia prático que o ajudará a encontrar o amor de sua vida".

Tirando os meros detalhes, deu pra fortalecer o embasamento dos meus valores e príncipios, e descobrir limites que podem se tornar essenciais para um relacionamento saudável, além de deixar muito mais clara a maneira como Deus espera que nos relacionemos!

"Estabeleça limites em seu relacionamento e você crescerá em independência, honestidade e autocontrole. Se algumas de suas experiências no namoro foram difíceis e traumáticas, este livro revolucionará a forma de você encarar os relacionamentos."
- Drs. Les e Leslie Parrot

Sensacionalista!

Não revolucinou o que já estava revolucionado, mas até que acrescentou bastante coisa. Questões básicas de caráter e responsabilidade. Abri os olhos para situações que nunca havia pensado, e uma das que me chamaram a atenção foi o questionamento sobre eu ter seguido os caminhos de Deus para ser o tipo de influência que ajuda a mudar as pessoas, ou se estou apenas ambicionando e censurando.

Minha opinião (se interessar): Namorar é muito bom e importante para aqueles que pretendem constituir uma família. Embora o livro fale bastante sobre o casamento, não acho que o namoro deve, obrigatoriamente, virar um compromisso matrimonial. Na verdade, você só alcança maturidade para se unir a alguém "para sempre" namorando! O importante é amadurecer em cada relacionamento, e os limites são acrescentados nesse crescimento, pois você passa a conhecer os seus. Essa base é o que trás experiência e autodefesa para encarar o(s) próximo(s), sem cometer as mesmas bobeiras, mas outras, que também irão ensinar.

Se recomendo? Apenas para aqueles que não buscam respostas, mas uma opinião concreta, sucesso em algumas crises de imaturidade e, porque não, consolo (bíblico) após um relacionamento destrutivo. (Ressalva: consolo não é resposta)!

Evidente que não seria esse livro o guia para eu encontrar o amor da minha vida...

Aliás, eu nem preciso de um guia! =P

30 de jun de 2005

Pra cima, Brasil!

Música de João Alexandre

Como será o futuro do nosso país?
Surge a pergunta no olhar e na alma do povo
Cada vez mais cresce a fome nas ruas, nos morros
Cada vez menos dinheiro pra sobreviver

Onde andará a justiça outrora perdida?
Some a resposta na voz e na vez de quem manda
Homens com tanto poder e nenhum coração
Gente que compra e que vende a moral da nação

Brasil, olha pra cima
Existe uma chance de ser novamente feliz
Brasil há uma esperança!
Volta teus olhos pra Deus, o Justo Juiz


>> Como disse uma amiga, pode até ser síndrome de miss, mas eu sonho com a paz mundial.

29 de jun de 2005

Libertadores da América



"Futebol se joga no estádio?
Futebol se joga na praia,
futebol se joga na rua,
futebol se joga na alma.
A bola é a mesma: forma sacra
para craques e pernas-de-pau.
Mesma a volúpia de chutar
na delirante copa-mundo
ou no árido espaço do morro.
São vôos de estátuas súbitas,
desenhos feéricos, bailados
de pés e troncos entrançados.
Instantes lúdicos: flutua
o jogador, gravado no ar
- afinal, o corpo triunfante
da triste lei da gravidade."


Carlos Drummond de Andrade - "Quando é dia de Futebol"

27 de jun de 2005

Acordar, viver...



Como acordar sem sofrimento?
Recomeçar sem horror?
O sono transportou-me
àquele reino onde não existe vida
e eu quedo inerte sem paixão.

Como repetir, dia seguinte após dia seguinte,
a fábula inconclusa,
suportar a semelhança das coisas ásperas
de amanhã com as coisas ásperas de hoje?

Como proteger-me das feridas
que rasga em mim o acontecimento,
qualquer acontecimento
que lembra a Terra e sua púrpura
demente?
E mais aquela ferida que me inflijo
a cada hora, algoz
do inocente que não sou?

Ninguém responde, a vida é pétrea.


Carlos Drummond de Andrade

24 de jun de 2005

Saber viver



Hoje eu senti saudades, e esse vai em homenagem às minhas amigas de colégio: Rê (Rex), Grá (Grát’s), Lise (Lisoca) e Van (Preparada).

“É preciso saber viver” - Titãs

Quem espera que a vida seja feita de ilusão
Pode até ficar maluco ou morrer na solidão,
É preciso ter cuidado pra mais tarde não sofrer,
É preciso saber viver.
Uma pedra no caminho você pode retirar,
Numa flor que tem espinho você pode se arranhar,
Se o bem e o mal existem, você pode escolher,
É preciso saber viver.


Essa música marcou os meus tempos de colégio. Falando assim parece até que já faz muitos anos que isso aconteceu, e não apenas um semestre, como de fato é. Hoje, na volta pra casa, mesmo sendo “meio” antiga, “É preciso saber viver” tocou no rádio, e me trouxe à mente todas as vezes que eu, a Rê e a Van inventávamos coreografias inusitadas, com a ajuda da Lise e a Grá na platéia, só se divertindo. Na verdade, era diversão pura, para todas nós! Relembrei dos ensaios da nossa última Feira do Livro, e de como a gente batia palma repetindo esse refrão. Nota: totalmente fora do compasso e daquilo que realmente precisava ser ensaiado.

Não sei vocês, mas eu me incomodo muito com esses assuntos. Saber viver, aproveitar como se fosse o último, minuto passado é minuto perdido, o presente já é passado etc. Na verdade, acho que lá no fundo eu não sei nada disso, e continuo com a mesma vidinha medíocre. Nós, seres-humanos, nascemos, crescemos, aprendemos a mentir, a escrever e a comer segurando o garfo e a faca. Depois, crescemos mais um pouco, aprendemos a responder nossos pais, e a beijar na boca. Nessa época, coisas novas vão surgindo e você parece, finalmente, estar descobrindo o sentido da vida...ou a falta dele! E ainda com os estudos para a vida, a busca do próprio sustento e da independência, você se descobre confusa e despreparada. No meu caso, o último está em evidência.

Queria viver mais, queria fazer mais coisas, queria conhecer mais pessoas e lugares, queria aprender novas matérias e ciências loucas, queria ler mais e mais livros, queria ter mais tempo para assistir todos os filmes, mais tempo para Deus e para os meus amigos, mais tempo para dormir, mais tempo para curtir meu violão e aprender a tocar saxofone, mais tempo para aprender a nadar, para estudar e curtir minha família.

Se eu pudesse fazer ou ter tudo isso, talvez eu teria a certeza da tal sabedoria. Talvez, saber viver seja saber aproveitar o tempo investido em cada atividade que nos é proporcionada. Então, quem sabe, a sabedoria já está em mim, só faltando, então, utilizá-la. Segundo o João, querido professor da Escola Dominical, Deus quer que vivamos felizes, sem muitas ilusões, com os problemas que acontecem, e que saibamos contorná-los na medidade exata.

Que nós tenhamos consciência crítica para conosco, e saibamos tirar as pedras no meio do caminho!

Amigas, para vocês só digo uma coisa: nosso colegial foi muito bem vivido. Estou com saudades!

"Só há duas maneiras de viver a vida: A primeira é vivê-la como se os milagres não existissem; A segunda é vivê-la como se tudo fosse um milagre" - Albert Eisntein

17 de jun de 2005

Pensar é transgredir



Li esse livro bem rápido. Gostei bastante! Confesso que não admirava muito o que a Lya Luft escrevia para a revista Veja (ainda escreve?), mas o livro é realmente muito bom, e mesmo se você discordar de algumas opiniões (como eu), além de ter belas histórias e pensamentos "coloridos" que te fazem esquecer do mundo ao seu redor, te instiga a aprimorar a parte legal (e única?) da filosofia: questionar e ter ainda mais dúvidas.

"Pensar é Transgredir vai da preocupação com o social à inquietação pelo mistério da vida. Mas nele a autora também deixa entrever um pouco do cotidiano em sua casa, revela coisas de sua infância e mostra seu lado bem-humorado, seguidamente comentado por quem a conhece pessoalmente. Fala do desafio que é podermos escrever uma parte da nossa história pessoal, e da dificuldade de sermos responsáveis por nossas escolhas; mas também escreve sobre ternura, alegria e perplexidade. A narrativa de Lya se faz ouvir pela voz de uma mulher, uma personagem feminina que relata sua problemática. Romances, ensaios, poemas e textos breves são o jeito de Lya de rondar algo que a assusta ou seduz."

(sinopse do www.submarino.com.br)

** Eu recomendo e empresto! =P

16 de jun de 2005

Control Z



Domingo passado, me arrumando para sair, tive meu 2º encontro com as influências do serviço em minha vida pessoal - o 1º foi quando atendi ao telefone de casa falando o nome da empresa. Estava secando o cabelo, e me deu vontade de mudar o penteado. Péssima idéia, uma vez que eu detestei a novidade. Tá, até aí, nada de mais, não fosse o fato de ter me vindo à mente: "Ai, vou dar o control Z". Caso alguém não saiba, o control Z é o atalho de "desfazer" dos editores de texto, e de outros softwares. É um método prático de recuperar o texto das possíveis bobagens que cometemos digitando um trabalho, um documento ou qualquer coisa do tipo.

O control Z permite que você teste todas as fontes, cores, estilos e efeitos, pois se não gostar, é só apertá-lo e tudo volta como estava antes.

Já imaginaram se a vida fosse assim também? Já imaginaram se pudéssemos fazer todas as faculdades, ler todos os livros e ter todos os namorados podendo dar o control Z para resgatar o tempo perdido com aqueles que trouxeram péssimos resultados, e que incrível seria apagar esses resultados? E se pudéssemos comer todos os chocolates do supermercado, ter o cabelo de todas as cores e cortes que sempre quisemos arriscar, fazer todas as loucuras que dependeram da nossa coragem para serem cumpridas e depois apertar o control Z para voltarmos a ter nossa velha e boa aparência e reputação de sempre, como se nada tivesse acontecido?

Eu já! Sempre penso nisso quando faço uma besteira. Quem nunca sentiu vontade de voltar no tempo? Com o control Z eu vou além. Com ele eu tenho a chance de fazer o teste mesmo não estando completamente segura de mim, e se for atitude reprovada, é possível recuperar-me e concertar o estrago.

Dei o exemplo do penteado porque foi numa situação banal como essa que percebi o quanto sou folgada e medrosa (sem mencionar o “louca”). Essa facilidade deveria ir contra os meus princípios, e não desenvolver em mim um paradigma de medo e utopia.

De qualquer forma ainda pretendo contar com o meu control Z pessoal, que mesmo não sendo tão eficiente quanto o do computador, com um pouquinho de força de vontade é capaz de me levantar, e de excluir o que não valeu a pena. Pode até ser apenas uma parte do que não valeu, mas o que importa mesmo é a vontade de seguir em frente que fica armazenada, e mesmo sem recuperar o tempo perdido, ou o cabelo que ficou horroroso, ou até mesmo minha reputação, ele ainda me dá esperança e maturidade em cada situação.

Seria maravilhoso se a vida funcionasse como um editor de texto. Em compensação, seríamos débeis e infantis.

14 de jun de 2005

Para os noivos...



Sei que já falei de tudo e já abracei vocês um montão de vezes, mas eu
precisava deixar registrada aqui a alegria que eu sinto por vocês estarem
vivendo esse sonho lindo...e o melhor de tudo, sonho que é de Deus.

Agradeço a Ele por fazer parte da vida de vocês...e por ter feito parte
dessa festa comemorando esse momento inesquecível (mesmo não tendo tirado nossa foto fazendo careta)!

Parabéns aos noivos, Carol e Fábio...e que sejam felizes para sempre!!

Com amor,

"Má" ...ou universitária! ; )

~* Chorei, chorei e chorei...amo vocês!

17 de mai de 2005

Por onde andei



Desculpe estou um pouco atrasado
Mas espero que ainda dê tempo
De dizer que andei errado e eu entendo
As suas queixas tão justificáveis
E a falta que eu fiz nessa semana
Coisas que pareceriam óbvias até pra uma criança

Por onde andei
Enquanto você me procurava
Será que eu sei que você é mesmo tudo aquilo que me faltava?

(...)

A vida é mesmo coisa muito frágil
Uma bobagem, uma irrelevância
Diante da eternidade do amor, de quem se ama

(Nando Reis)

10 de mai de 2005

Covardia

Que a covardia não me prenda. Não amarre meus braços nem a minha língua. Que a covardia não me faça engolir os beijos, não me cegue e não me espalhe medos. Que ela não descubra em mim uma menina pequena e frágil, e assim não me pregue peças. Que a covardia não entale frases na minha garganta, e não me impeça de me expressar nos precisos momentos. Que a covardia não me apague, não ofusque e não me supreenda. Que eu seja alta, que eu seja forte. Que eu descubra asas e em mim mesma a ousadia de usá-las. Que eu esqueça os absurdos, os erros, as imperfeições e os desmundos. Que eu seja capaz de querer o infinito.

29 de abr de 2005

Querido Diário

Hoje acordei com expectativas.
Muitas!
Tantas que nem é possível colocar aqui.

Pressa

Mesmo quando tudo pede um pouco mais de calma,
Até quando o corpo pede um pouco mais de alma,
A vida não pára.


A semana passou voando, voando, voando...

Enquanto o tempo acelera e pede pressa
Eu me recuso, faço hora,
A vida é tão rara.

E eu tive que correr também.
Tive que dormir pouco, comer menos ainda,
Tive que ter toda a paciência do mundo com certas pessoas,
Engolir a vontade de mandar alguns pra um certo lugar.

Enquanto todo mundo espera a cura do mal
E a loucura finge que isso tudo é normal
Eu finjo ter paciência...


Aguentar a indiferença, o mau humor, a imperfeição.

O mundo vai girando cada vez mais veloz
A gente espera do mundo e o mundo espera de nós
Um pouco mais de paciência...

As voltas nem sempre são a favor, nem sempre contra.
Eu quero paciência pra esperar a minha volta. Espero muito do mundo.
Não devia.

Será que é o tempo que me falta pra perceber
Será que temos esse tempo pra perder
E quem quer saber
A vida é tão rara...


Não vou perder tempo! Não vou esperar do mundo! Não vou esperar das pessoas!
Se há tempo, não sei. Mas houve o suficiente para eu me sentir cansada.

O que dói...

"Viver não dói. O que dói é a vida que não se vive". - (Emilio Moura)

Definitivo, como tudo o que é simples. Nossa dor não advém das coisas vividas, mas das coisas que foram sonhadas e não se cumpriram.

Por que sofremos tanto por amor? O certo seria a gente não sofrer, apenas agradecer por termos conhecido uma pessoa tão bacana, que gerou em nós um sentimento intenso e que nos fez companhia por um tempo razoável, um tempo feliz. Sofremos por quê? Porque automaticamente esquecemos o que foi desfrutado e passamos a sofrer pelas nossas projeções irrealizadas, por todas as cidades que gostaríamos de ter conhecido ao lado do nosso amor e não conhecemos, por todos os filhos que gostaríamos de ter tido juntos e não tivemos, por todos os shows, livros e silêncios que gostaríamos de ter compartilhado, e não compartilhamos. Por todos os beijos cancelados, pela eternidade interrompida.

Sofremos não porque nosso trabalho é desgastante e paga pouco, mas por todas as horas livres que deixamos de ter para ir ao cinema, para conversar com um amigo, para nadar, para namorar. Sofremos não porque nossa mãe é impaciente conosco, mas por todos os momentos em que poderíamos estar confidenciando a ela nossas mais profundas angústias se ela estivesse interessada em nos compreender. Sofremos não porque nosso time perdeu, mas pela euforia sufocada. Sofremos não porque envelhecemos, mas porque o futuro está sendo confiscado de nós, impedindo assim que mil aventuras nos aconteçam, todas aquelas com as quais sonhamos e nunca chegamos a experimentar.

Como aliviar a dor do que não foi vivido? A resposta é simples como um verso: se iludindo menos e vivendo mais.

24 de abr de 2005

Piadinha

O pai do Joãozinho ficou apavorado quando este lhe mostrou o boletim.
- Na minha época as notas baixas eram punidas com uma boa surra.
- Legal pai! Que tal pegarmos o professor na saída amanhã?

( não sei porque, mas sinto que essa semana vai acontecer exatamente assim...)

Heheheh!! =P

Burro?



O inteligente e o burro estão fazendo uma brincadeira, cujas regras são: cada um faz perguntas ao outro, se o burro não sabe a resposta, ele paga 1 real ao outro; se é o inteligente que não sabe a resposta ele paga 100 reais ao outro, porque ele é mais inteligente, e assim parece justo.
O inteligente começa:
- O que é que tem quatro patas e mia?
- Não sei. Toma 1 real.
- O que é que tem 4 patas e late?
- Não sei. Toma 1 real.
-Faz uma pergunta você, pede o inteligente.
-Tá bom! O que é que tem oito patas de manhã e quatro de tarde?
O inteligente pensa, pensa, pensa, mas depois de uma hora sem achar a resposta, tem que desistir:
- Não sei. Toma cem reais. O que é, hein?
- Também não sei. Toma um real.

Posted by Hello

Depois de nós



"Hoje os ventos do destino começaram a soprar
nosso tempo de menino foi ficando para trás
com a força de um moinho que trabalha devagar
vai buscar o teu caminho, nunca olha para trás."


Engenheiros do Hawaii Posted by Hello

Aprofundando o diálogo com Deus




"Que eu possa conhecê-lo mais claramente
Amá-lo mais profundamente
E segui-lo mais de perto dia após dia."

Aprofundando o diálogo com Deus - Ben Patterson

Terminei de ler hoje! É ótimo para reflexão, bem gostoso de ler, e nos anima muito a aproveitar o privilégio de conversar com o Criador.
Posted by Hello

19 de abr de 2005

Hoje

Hoje foi um dia especial!

Foi minha primeira segunda-feira "de branco" - com todo o respeito, seu delegado! Depois de um dia cheio de stress, problemas no computador, tefonemas, filas e, é claro, muita palhaçada e bom-humor, aproveitei que estou de folga da faculdade essa semana e fui direto pra Cultura, encontrar meus amigos do inglês.

Ah, quantas saudades...durante todo o caminho fui lembrando de como eu descia correndo aquela rua do metrô, com uma mochila nas costas, o uniforme do Cetec, e o fichário de florzinha que fazia questão de sempre abrir nos dias de atraso, me atrapalhando a vida. Hoje eu já não estava com tanta pressa, a mochila virou bolsa tira-colo e o uniforme, sapato de salto alto. Estava na maior expectativa e quando cheguei, nem fiquei surpresa! Lá estavam eles, na mesinha de sempre, correspondendo à cena que eu tinha em mente: o Vi falando alguma inutilidade, o Alípio zuando, e o Rapha desesperado tentando terminar a lição de casa. Já cheguei matando as saudades, e as novidades foram ótimas! Fui cara de pau o suficiente pra pedir à "teacher" que me deixasse assistir aula com eles...e foi o máximo! As piadas, nosso jeito único e divertido de falar inglês, tudo! A professora levou o DVD do "Friends" pra gente ver e o episódio foi muito legal. O tempo passou rapidinho...bem mais rápido do que as longas 3h20 que eu passo lá todo sábado de manhã.

Voltei de metrô com o Alípio, assim deu tempo de colocar a conversa em dia.

Pra encerrar, eu estava esperando minha mãe no Jabaquara quando eu vi um carro parecido com o meu. Nem pensei duas vezes e enfiei a cabeça falando "MÃE" ? É...você já deve saber que não era minha mãe...e a cena foi rídicula!

...

Tudo bem, tudo bem! O tio era gente fina.

O dia não podia ter terminado melhor!

Nesse momento eu estou com muita vontade de escrever sobre meus últimos pensamentos, acontecimentos e tal...mas o sono está ganhando de lavada e o xaveco do meu colchão está irresistível!

Aquele braço!

10 de abr de 2005

As três peneiras

Olavo foi transferido de projeto.

Logo no primeiro dia, para fazer média com o novo chefe,

saiu-se com esta:

- Chefe, o senhor nem imagina o que me contaram a respeito do Silva. Disseram que ele...

Nem chegou a terminar a frase, e o chefe, apartou:

- Espere um pouco, Olavo. O que vai me contar já passou pelo crivo das Três Peneiras?

- Peneiras? Que peneiras, Chefe?

- A primeira, Olavo, é a da VERDADE. Você tem certeza de que esse fato é absolutamente verdadeiro.

- Não. Não tenho, não. Como posso saber? O que sei foi o que me contaram? Mas eu acho que...

E, novamente, Olavo é interrompido pelo chefe:

- Então sua história já vazou a primeira peneira. Vamos então para a segunda peneira que é a da BONDADE. O que você vai me contar, gostaria que os outros também dissessem a seu respeito?

- Claro que não! Deus me livre, Chefe! - diz Olavo, assustado.

- Então, - continua o chefe - sua história vazou a segunda peneira. Vamos ver a terceira peneira, que é a da NECESSIDADE. Você acha mesmo necessário me contar esse fato ou mesmo passá-lo adiante?

- Não chefe. Pensando desta forma, vi que não sobrou nada do que eu iria contar - fala Olavo, surpreendido.

-Pois é Olavo! Já pensou como as pessoas seriam mais felizes se todos usassem essas peneiras - diz o chefe sorrindo e continua:

- Da próxima vez em que surgir um boato por aí, submeta-o ao crivo das três peneiras:

VERDADE - BONDADE - NECESSIDADE

...antes de obedecer ao impulso de passá-lo adiante, porque:

* Pessoas inteligentes falam sobre idéias;
* Pessoas comuns falam sobre coisas;
* Pessoas mesquinhas falam sobre PESSOAS.

6 de abr de 2005

Todo o sentimento

"Preciso não dormir
Até se consumar
O tempo
Da gente
Preciso conduzir
Um tempo de te amar
Te amando devagar
E urgentemente
Pretendo descobrir
No último momento
Um tempo que refaz o que desfez
Que recolhe todo o sentimento
E bota no corpo uma outra vez

Prometo te querer
Até o amor cair
Doente
Doente
Prefiro então partir
A tempo de poder
A gente se desvencilhar da gente
Depois de te perder
Te encontro, com certeza
Talvez num tempo da delicadeza
Onde não diremos nada
Nada aconteceu
Apenas seguirei, como encantado
Ao lado teu"

(Chico Buarque de Holanda)

~*/ Só pra atualizar, meu aniversário foi ótimo, e ter 18 anos é como...é como...é, bem...é ter 18 anos!

23 de mar de 2005

Deixa pra depois...

Eu odeio pensar que posso não estar fazendo a coisa certa. Eu queria saber arriscar, sem medo de quebrar a cara.
Tá, eu sei que pensar é super importante, mas...quando as coisas vão escorregando pelas nossas mãos, e ficando pra trás, bate um desespero em mim, porque eu vejo quanto tempo já passou, e desanimo quando penso que pode ser tarde demais. Parece desperdício o tempo que "passei pensando" e nada fiz!
Quantas vezes minha vontade foi dar um abraço, mas ao invés disso, eu passei reto porque fiquei com vergonha? Quantas vezes eu contei uma piada idiota, e ri sozinha, fingindo estar feliz e sorridente, quando na verdade, tudo que eu queria era chorar e chorar...e principalmente poder contar o motivo? Quantas vezes a frase estava montada e decorada na minha mente, mas o momento passou e tudo que eu consegui dizer foi: "Com licença..."? Quantas vezes tive medo de perguntar, de tocar naquele assunto, de cobrar aquela pizza, de me intrometer em um problema seu...? Quantas vezes tudo que eu quis foi demonstrar o quanto eu estava feliz, ou o quanto aquele passeio me fez bem, mesmo que tenha sido o cinema de sempre? Quantas semanas se passaram desde o dia que decidi algumas coisas, e nada foi executado? Quantas vezes vi a sua aflição no seu olhar mas não perguntei o que era? Quantas vezes eu coloquei a culpa em outra pessoa, ou não tive coragem de telefonar por simplesmente não ter coisa alguma pra falar (ou ter coisa demais)?
Quantas vezes, quantas vezes...muitas, ora! O triste é saber que o tempo passa, e todas essas "vezes" ficaram pra depois...ou pra depois-de-amanhã, ou pra semana que vem, mas sempre pra depois! E se o depois não chegar, como já não chegou? E se não houver uma segunda chance, como já não houve?
Refletir faz bem, e eu ainda vou aprender a "fazer hoje"! É preciso ter coragem para ser feliz!

"Amanhã é 23...são 8 dias para o fim do mês, faz tanto tempo que eu não te vejo, queria o teu beijo outra vez!"
(Kid Abelha)

...e faltam 3 pro meu niver! Mas, isso é um próximo assunto.

Na verdade, isso tudo foi um mero pesamento. Maluco e perdido em devaneios...e, eu transcrevi aqui, exatamente como ele viajou em minha mente.

Perdoem a confusão.

22 de mar de 2005

A um ausente

Tenho razão de sentir saudade
tenho razão de te acusar.
Houve um pacto implícito que rompeste
e sem te despedires foste embora.
Detonaste o pacto.
Detonaste a vida geral, a comum aquiescência
de viver e explorar os rumos de obscuridade
sem prazo sem consulta sem provocação
até o limite das folhas caídas na hora de cair.

Antecipaste a hora.
Teu ponteiro enloqueceu, enloquecendo nossas horas.
Que poderias ter feito de mais grave
do que o ato sem continuação, o ato em si,
o ato que não ousamos nem sabemos ousar
porque depois dele não há nada?

Tenho razão para sentir saudade de ti,
de nossa convivência em falas camaradas,
simples apertar de mãos, nem isso,
voz modulando sílabas conhecidas e banais
que eram sempre certeza e segurança.

Sim, tenho saudades.
Sim, acuso-te porque fizeste
o não previsto nas leis da amizade e da natureza
nem nos deixaste sequer o direito de indagar
porque o fizeste, porque te foste.

(Carlos Drummond de Andrade)

18 de mar de 2005

Vendas interiores?

Na aula de Arte e Cultura, ontem, conversamos sobre olhar as coisas sem vê-las. Sabe aquele caminho que você faz todos os dias? E a janela que você abre quando acorda? Ou a garota (o) que você vê todo fim de semana? Você já reparou nas milhares de coisas que passam pelo seu olhar, sem serem notadas? Não, não estou vindo com aquele papo de: "pode ser a última vez..."! Mas, sei lá...e se for? E mesmo que não seja...o caminho que você sempre faz, a vista que você tem quando abre a janela do quarto, a visão linda (e rara) do almoço de domingo, em família, a tal pessoa...tantas coisas que vivemos, olhamos, mas não enxergamos o valor, a essência!

Hoje eu estava esperando minha mãe me buscar pro ensaio, lá no Jabaquara. Fiquei reparando do outro lado da rua, a velha banca do tio do Roger, o ponto de taxi que me salvou de altas chuvas, a própria entrada do metrô que já foi palco de brigas, beijos, risadas, micos...comecei a me ver em cada cena, como num filminho, e independente da beleza existir ou não, cada momento construiu a minha história! Acho que mudei um pouco o assunto. Mas acredito que a essência está tanto em ver o significado da tal coisa pra você quanto o valor que ela tem para o mundo. Por exemplo, no caminho de todos os dias você pode passar em frente a uma escola, e ver a alegria de um garoto atravessando a rua indo de encontro a Tia Simone (nome de professora, né?!). Saber olhar essa cena enxergando, de fato, é absorver do sorriso daquela criança inocente, que ainda vive seu pequeno mundo de brinquedos, papai e mamãe, algo que melhore seu dia e coloque dentro de você a vontade de revolucionar, de mudar, para os sonhos daquele pirralho não serem em vão! Assim também, eu posso olhar a velha entrada do Terminal Jabaquara e me ver em diversas situações, que por um instante, me fazem rir sozinha, ou chorar disfarçadamente, olhando pra trás e "tentando" sentir orgulho do que ali ficou!

São esses raciocínios que me fazem crescer, além do que eu ando lendo na Bíblia. Se coincidências existirem, essa entrou pro meu banco de reflexão: algumas horas antes da aula de Arte e Cultura, eu li o capítulo 24 do livro de Lucas, e o mesmo foi citado pelo professor durante sua explicação! Dá uma olhadinha, quando tiver um tempo. Ali você vai ler a respeito do dia em que Jesus, após ressucitar, aparece para dois de seus amigos, conversa com eles, mas eles não percebem que estão falando com Jesus. Eles contam pra Jesus tudo que havia acontecido e entristecido seus corações, e este finge não saber de nada, sendo reconhecido apenas quando, ao assentar-se com eles para comer, repartiu o pão e o distribuiu. Nesse momento os amigos de Jesus viram o que já haviam olhado por muito tempo...não só na época que andaram com Ele, mas naquelas horas que conversaram pensando ser um desconhecido. A essência estava no ato de Jesus que despertou os seus amigos, como se tirasse uma venda de seus olhos.

Talvez a venda esteja em olhos "interiores", não sei. Mas me esforço para tirá-las e enxergar a vida e seus complementos. Procuro o sentido de coisas que olho, mas não enxergo.

~*/ Hoje fui na 25 de março, e faltei na faculdade, para ensaiar! Passei no escritório do meu grande papis, também. Acho que ele gostou! =)

15 de mar de 2005

O amigo...

O amigo é o sol que seca suas lágrimas, e a polpa que adocica ainda mais o seu sorriso. Amigo é aquele que te acompanha nas suas vitórias e faz piadas amenizando problemas.
É quem tem medo, dor, gozo, IGUALZINHO a você. É quem sabe viver e tem história pra contar. É quem sorri pra você sem motivo aparente, e é quem sofre com seu sofrimento.
Amigo é o achar daquilo que você nem sabia que procurava. Ele é aquele que te lê em cartas esperadas ou não, pequenos bilhetes em sala de aula e mensages eletrônicas emocionadas.
É aquele que te ouve ao telefone, mesmo quando a ligação é caótica, com o mesmo prazer e atenção que teria se estivesse olhando em seus olhos.
Olhos...o amigo é quem fala e ouve com o olhar...o seu e o dele em sintonia telepática!
Amigo é aquele que aguarda pacientemente e se entusiasma quando vê surgir aquele tão esperado brilho no seu olhar...e é quem tem uma palavra sob medida quando estes mesmos olhos estão amplificando tristeza interior.
É lua nova, é a estrela mais brilhante, é luz que se renova a cada instante, com múltiplas e inesperadas cores que cabem todas na sua íris. Amigo é aquele que diz "eu te amo" sem qualquer medo de má interpretação.
Ele é quem te ama e PRONTO! É verdade e razão, sonho e sentimento.
Amigo é para sempre, mesmo que o sempre não exista...que é claro, EXISTE!


~*/ Meu melhor amigo do mundo todo faz aniversário hoje, e isso tudo eu escrevi pra ele! Alma rara que me suporta. Eu amo você, Wagner, meu compis preferido que nenhuma palavra pode resumir.

~*/ Depois de um mês de companheirismo, vou guardar minha bota ortopédica beeeem no fundo do armário, e não pretendo vê-la novamente (tão cedo)! Nem o médico acreditou que meu dedão sarou...huhu, Deus é style mesmo. Que benzi, que nada. Esse é o poder do meu DADZÃO.

"Alguns anjos não possuem asas....a esses damos o nome de Amigos!" Jesus veio ao mundo sem asa...e o Wagnão também. Prometo que não é coincidência...é só o meu círculo de amizades. ;)

13 de mar de 2005

Essência de Deus

"O mundo há de passar e toda profecia
Os dons, as línguas e tudo mais que existir
Porém como Aquele que foi, hoje é e pra sempre há de ser
O amor é a essência de Deus e pra sempre também vai viver

Bondoso e sem rancor, fiel e consciente
Humilde, sofredor, espera tão somente
Justo e verdadeiro, tudo soporta e tudo e crê
Tão puro e perfeito é o amor, não busca interesse ou favor
Mistério, expressão, vida e luz no Senhor

Se eu pudesse saber destinos ou futuros
Fazer mover as montanhas com minha fé
Se eu pudesse falar qualquer língua em qualquer lugar
E desse meus bens ao mais pobre, ou morresse em favor de alguém

Se não tivesse amor de nada valeria
Se não tivesse amor proveito algum teria
Fria e sem razão a vida então passaria
Vazio seria ao falar um sino que insiste a tocar
Se dentro de mim não valesse o amor"


(Essência de Deus - João Alexandre)

É nessa música que eu baseio os meus dias...e é a que eu mais ouço nos últimos tempos! Se quiser ouvir, é só me pedir (...é, a Fê ainda não sabe como deixar um link aqui pra você pegar a música).

O amor é assim e tem gente - eu - que ainda precisa aprender! Está aí para refletir.

Amanhã (daqui a pouco) vou tirar radiografia do meu dedão. Quero dar "um pé" (sente o trocadilho) nessa botinha de gesso.

12 de mar de 2005

Fê 2005

É isso aí. Ano novo, vida nova!

"Puxa, em março ela fala de ano novo?" Pois é...às vezes a ficha demora um pouco pra cair. Mas...nunca é tarde. E não depende da sua idade, classe social, cor, credo ou profissão...sempre há tempo pra recomeçar! Demagogo? Até pode parecer, mas fato é que enquanto há vida, há tempo! E isso também não depende da situação pela qual você passou, do problema que aparenta fazer um complô contra você nem dos pensamentos e lembranças que te prendem ao passado. Isso depende tão somente de quem vive.

Depende de acordar, abrir a janela, dar uma espreguiçada e ver que a vida tem sentido. É uma questão de ver a vida...como vida! Confuso? Pode ser...mas acredite, boa parte eu mesma compliquei.

Não tenho experiência para filosofar, e nem é essa a intensão. Mas essa semana eu acordei, e vi que minuto passado é minuto perdido...e quantas coisas a gente não faz em 1 minuto? Quem dirá em 1 hora? Ler um livro, um capítulo da Bíblia, ouvir uma música boa, treinar um instrumento, aprender a cozinhar, conquistar alguém, fazer um telefonema que você deve a semanas...

Acordei pensando em começar do zero! Deixar de lado o que me fez chorar, e entender esse período como aprendizado. Sabe aquela vontade de acreditar em em si mesmo, e em tudo que se pode realizar?! Estou tomada por essa sensação, seja ela passageira ou não.

A "Fê 2005" é a velha e doida Fernanda de sempre, mas numa versão diferenciada ou, porque não, melhorada!

Se ela aprendeu com os erros, cresceu com as dificuldades, e amadureceu com as oportunidades, boas ou más, entregando tudo a Cristo, que sabe infinitamente mais, quem poderá negar?!

Ela também aproveitou cada fase, e com certeza tirou todas as coisas boas de cada uma...(e que venham as próximas!).

Acho que agora, a Fê 2005 sonha com os pés no chão e como ela mesma ouviu sua mãe dizer (fofocar)...ela dormiu menina e acordou mulher! Mulher com mania de ser criança: determinada, responsável e bem bagunceira!

Será verdade? Que seja...e em 2005, 2006, 2007 (...). A cada fase, uma sacada diferente.

Era isso! Estava com vontade de falar de mim...

Vamos começar?

Oi pra você!

Seja bem-vindo à minha mais nova tentativa de...
Não sei. Acho que sinto falta de ter um lugar pra escrever. Sentimentos, poesias, novidades, dores, pensamentos, gargalhadas.
Minhas babozeiras ainda são interessantes...para mim!
Amanhã, depois que eu descansar, porque o dia começa bem cedo.

OBS: Rafuxo, não esqueci do seu recado! Você é especial para mim.